sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Inter demora a engrenar, mas domina segundo tempo e vence Veranópolis Pottker abriu o placar em velocidade, garantindo o 1 a 0 na estreia do Gauchão 2018

Inter derrapou no primeiro tempo, demorou a engrenar, mas conseguiu a vitória sobre o Veranópolis nesta quinta-feira. O placar poderia ter sido maior que o 1 a 0, mas Damião desperdiçou gols em um segundo tempo de várias oportunidades para o Colorado. Na segunda rodada, o desafio será contra o Novo Hamburgo, no domingo. O VEC, por sua vez, enfrentará o São José.
A equipe colorada tentou implementar um estilo com mais toque de bola, nos minutos iniciais do primeiro tempo, mas sem espaço logo retomou o velho cacoete da ligação direta. Com poucas opções para criar, as chances de gol foram poucas e o Veranópolis chegou a ameaçar mais a meta do Inter.
Após 15 minutos infrutíferos de bolas nos flancos, com cruzamentos sem alguém para concluir de Uendel e Cláudio Winck, foi o VEC que criou as primeiras oportunidades. Wesley puxou contra-ataque e cruzou na área, a zaga afastou parcialmente, mas Juba recuperou. Na hora do chute, Cuesta conseguiu bloquear para escanteio.
Visitantes ameaçam no Beira-Rio
Na cobrança de Felipe Matione, Danilo afastou no pé de Rafael Bomfim. O zagueiro tentou emendar de voleio, mas bateu fraco na bola. Logo depois, em jogada de Bertotto, Rodrigo Dourado fez falta na meia-lua. Matione cobrou forte, mas estampou a cabeça de Damião na barreira.
Foram longos minutos e nada de chances para o Colorado, que ainda perdeu Uendel, substituído por Iago, com lesão no joelho. Aos 35 minutos, Jadson cobrou falta na área do Inter e Rafael Bomfim subiu livre para cabecear. A torcida se assustou, só que o testaço saiu em tiro de meta.
Apenas aos 38 minutos é que o Inter foi ameaçar o adversário no Beira-Rio. Winck escapou pela direita, driblou um marcador e serviu com açúcar para Camilo. A dois passos da pequena área, o meia pegou mal na bola e chutou para fora a única conclusão colorada antes do intervalo.
Colorado vai para cima e abre o placar
O segundo tempo foi uma história diferente. O Inter voltou com velocidade e movimentação, envolvendo o Veranópolis e pressionando pelo gol.
Os comandados de Julinho Camargo até testaram os nervos da torcida no primeiro minuto: Matione lançou Wesley, que recuou com Bertotto. O volante tentou o chute de longe, mas saiu bem acima da goleira. Ficou por aí.
Aos quatro minutos, Pottker fez sua primeira participação, e foi o suficiente. Dourado roubou bola no meio e lançou o atacante. Em alta velocidade, ele passou pelos defensores e confirmou o 1 a 0 na saída do goleiro.
Pottker passou a infernizar o flanco direito, criando várias chances. O problema foi a pontaria. Aos 9, Winck ganhou na direita e cruzou nos pés de Damião. O centroavante pegou mal na bola e mandou para fora. Cinco minutos depois, Pottker driblou dois no fundo e serviu com açúcar para Damião. Na risca da pequena área, ele demorou para chutar e bateu mascado.
Se o 2 a 0 não veio, muito foi por causa do centroavante colorado, que perdeu a terceira chance clara aos 28 minutos. Gabriel, que entrou no lugar de Camilo, recebeu de D'Alessandro, invadiu a área e rolou para Damião. Com todo o gol à disposição, ele chutou fraco, em cima do goleiro Reynaldo.
O VEC ensaiou uma última reação, mas desperdiçou falta na risca da área. Eduardinho ainda ensaiou jogada individual e chutou forte do flanco direito, mas mandou por cima. Fim de papo, vitória colorada.
Gauchão - 1ª rodada
Inter 1
Danilo Fernandes; Cláudio Winck, Klaus, Víctor Cuesta e Uendel (Iago); Rodrigo Dourado, Edenilson, William Pottker, D'Alessandro (Nico López) e Camilo (Gabriel Dias); Leandro Damião. Técnico: Odair Hellmann.
Veranópolis 0
Reynaldo; Felipe Mattioni, Rafael Bonfim, Léo D’Agostini e Jadson Silva; Bertotto (Fabrício), Eduardinho e Jair; Rogerinho (Gabriel Silva), Juba (Matheus) e Wesley. Técnico: Julinho Camargo.
Gol: William Pottker (4min/2ºT).
Cartões amarelos: Rodrigo Dourado, Víctor Cuesta (I); Jadson (V).
Público: 15.149.
Arbitragem: Douglas da Silva, auxiliado por Elio Nepomuceno Júnior e Jorge Eduardo Bernardi.
Local: Beira-Rio.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Garotos do Grêmio saem na frente, mas cedem empate ao São Luiz Tricolor teve Paulo Miranda expulso no fim e não conseguiu evitar o 1 a 1

Os garotos do Grêmio tiveram uma atuação competitiva e flertaram com a vitória, mas os três pontos escaparam nos minutos finais do confronto com o São Luiz de Ijuí. A expulsão do experiente Paulo Miranda complicou a vida dos gremistas e o 1 a 1 veio aos 45 minutos da etapa final, depois dos donos da casa terem um pênalti negado pela arbitragem.
Nesta quinta-feira, o grupo principal se apresenta em Porto Alegre. Para sábado, contudo, ainda é com o grupo de transição que o Grêmio enfrentará o Caxias, na Arena, pela segunda rodada do Gauchão.
Os primeiro minutos mostraram os jovens do Tricolor com algum nervosismo, enquanto os donos da casa pressionavam. Bruno Grassi foi importante para manter a segurança embaixo da meta nos primeiros 15 minutos. Na metade final da etapa, porém, a gurizada se encontrou e buscou vantagem no placar.
O goleiro gremista, por sinal, foi exigido logo aos dois minutos. Márcio Goiano foi lançado pela esquerda, invadiu a área e chutou cruzado, mas parou nas mãos do arqueiro. O garoto Lima deu a resposta quatro minutos depois. Ele tabelou na esquerda, e driblou dois marcadores antes de chutar forte, tirando tinta do poste esquerdo.
Grêmio avança e abre o placar
Éder e Gustavo Xuxa eram as principais ameaças do São Luiz, mas conseguiram principalmente chutes de fora da área, sem acertar a mira. Aí, o Grêmio adiantou a marcação e passou a levar perigo. Com velocidade boas trocas de passe, principalmente pela direita com Leonardo, o time gremista chegou ao objetivo.
O lateral, que por capricho entrou no lugar do lesionado Anderson nos primeiros minutos, apareceu aos 22 minutos pela direita e mostrou visão de jogo. Cruzou na entrada do colega Matheus, que dominou entre dois marcadores e, mesmo desequilibrado, enfiou o pé na bola, que estufou as redes para o 1 a 0.
Com o gol, os gremistas recuaram um pouco e Bruno Grassi precisou fazer nova grande intervenção. Aos 27, Éder foi lançado por Gustavo Xuxa nas costas da zaga. Ele ajeitou o corpo e chutou na marca do pênalti. O goleirão gremista cresceu na saída do gol e conseguiu colocar para escanteio com o pé.
O São Luiz foi para a pressão e acumulou quatro escanteios, mas Mendonça e Balbino mostraram segurança na bola aérea para afastar. Antes do intevalo, ambos os times ainda tiveram chances de marcar. Primeiro, o São Luiz teve chance em falta de Balbino sobre Luiz Carlos na meia-lua da área. O próprio Luiz Carlos cobrou forte, só que por cima. Aos 45, Leonardo cruzou na cabeça de Lima, que emendou um belo peixinho e carimbou a trave, que manteve o 1 a 0.
O Grêmio voltou com uma marcação mais fechada e organizada, o que deixou o segundo tempo com bem menos opções ofensivas dos dois lados. Tentando recuperar o prejuízo, o São Luiz fez várias alterações, sem criar muitas chances, porém.
Logo aos dois minutos, uma das raras oportunidades gremistas. Ancheta tentou a jogada com Pepê, que girou na frente da área e chutou. Saiu fraco, fácil para o goleiro. No contragolpe, Éder recebeu na direita, driblou Guedes e cruzou com perigo. Mendonça afastou de cabeça. Logo em seguida, Éder foi substituído por Karl.
Chance de gol novamente apenas aos 24 minutos. Guedes levantou na área e Balbino cabeceou na trave direita, que caprichosamente tirou o gol gremista. Ronaldinho Gramadense e Mikael foram para o jogo, enquanto o Tricolor lançou Lucas Poletto no lugar de Lima e Thaciano foi a campo na troca com Ancheta.
São Luiz tem pênalti negado, mas empata
A grande polêmica do jogo veio aos 37 minutos. Mikael foi lançado por Ronaldinho, tirou do goleiro Bruno Grassi e foi derrubado. Seria pênalti, entretanto a arbitragem não marcou e ainda deu amarelo por simulação ao atacante.
Aos 39, Paulo Miranda fez falta feia e foi expulso na sua estreia com o Tricolor. Com um a mais, o São Luiz fez justiça no placar aos 45 minutos. Ronaldinho Gramadense recuperou rebote na esquerda e chutou forte. A bola desviou na zaga e tirou Grassi do lance, confirmando o 1 a 1.
Guedes ainda tentou devolver o Grêmio à liderança do placar aos 47, numa jogada individual. Ele cortou para o meio e disparou uma bomba no canto direito, mas um desvio mandou a escanteio. Nisso, o São Luiz também quase fez o seu aos 49. Gustavo Xuxa recebeu na intermediária e mandou um chutaço que estampou o travessão, na última grande oportunidade da partida.
Gauchão - 1ª rodada
São Luiz 1
Jonatas; Thomas, Tairone, Ricardo e Márcio Goiano; Rudiero, Prill (Karl), Éder (Mikael), Michel (Ronaldinho Gramadense) e Gustavo Xuxa. Técnico: Paulo Henrique Marques.
Grêmio 1
Bruno Grassi; Anderson (Leonardo), Paulo Miranda, Mendonça e Guedes; Balbino, Ancheta (Thaciano), Matheus, Lima (Poletto), Pepê; Isaque. Técnico: César Bueno.
Gol: Matheus (22min/1ºT), para o Grêmio; Ronaldinho Gramadense (45min/2ºT), para o São Luiz.
Cartão vermelho: Paulo Miranda (G).
Cartões amarelos: Paulo Miranda e Pepê (G); Rudiero, Luis Carlos (S).
Árbitro: Jonathan Pinheiro.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

No Choque-Rei São Paulo é campeão da II Copa Internacional Ipiranga Sub-20 4 a 3

Com 100% de aproveitamento na competição, o São Paulo chegou à final da Copa Internacional Ipiranga, no Rio Grande do Sul, para defender o título que já havia ganho no ano anterior. Mas o Tricolor Paulista tinha pela frente um clássico diante do Palmeiras. No Choque-Rei, não faltou emoção de uma grande final. O Tricolor esteve atrás no placar por três vezes, buscou empate e a vitória, com um jogador a menos em boa parte do segundo tempo. Com 4 a 3 no marcador, o Sub-20 levantou a taça pela terceira vez consecutiva.
O jogo começou com poucas chances dos dois lados, bastante truncado no meio de campo. Até que aos 26 minutos, Aldo acertou um belo chute, e abriu o placar para o Palmeiras. O São Paulo chegava nas bolas alçadas e paradas, e foi assim que saiu o gol de empate. Aos 46 minutos, em cobrança de falta de Igor Gomes pela direita, Walce, de cabeça, deixou tudo igual, 1 a 1.
O segundo tempo começou com o Palmeiras mais ofensivo. Aos 18 minutos, em jogada na área defensiva, Walce colocou a mão na bola, sendo expulso. Na cobrança, Aldo fez 2 a 1. Passados 5 minutos, Gabriel Novaes deixou tudo igual novamente. ntony Luan cruzou, Gabriel Sara chutou e a zaga desviou, na sobra, Gabriel Novaes completou de cabeça.
Para recompor o time com a ausência de Walce, André Jardine sacou Gabriel Sara, colocando Caio na lateral e Tuta fixo  na zaga. Geovane substituiu Antony.  Aos 28 minutos, Papagaio colocou o Palmeiras na frente de novo, 3 a 2. Aos 35 minutos, Bissoli e Fabinho entraram nas vagas de Igor Gomes e Gabriel Novaes.
O Tricolor se encontrava mais no jogo, mas tinha dificuldades com um a menos. Por fim, na última dupla substituição, entraram Helinho e Oliveira, saindo Cássio e Liziero. O São Paulo era guerreiro e mais uma vez empatou. Após chute de Rodrigo, Tuta encheu o pé e fez 3 a 3, aos 43 minutos. Quando tudo indicava que ia para os pênaltis, aos 48 minutos, Helinho cobrou escanteio e Bissoli, de cabeça, fez 4 a 3 Em jogo épico, emocionante e de virada, o São Paulo foi tricampeão consecutivo do torneio.
A campanha do São Paulo na competição foi de grandes vitórias. Na primeira fase, o Tricolor venceu o Lanús, Argentino Jrs, Internacional e Chapecoense. Nas quartas de final eliminou e Bahia e mais uma vez venceu um argentino, o Huracán, na semifinal, chegando ao clássico com seis vitórias.
Em 2015, o titulo foi sobre o Atlético/MG, por 3 a 1, gols de David Neres (2), hoje no Ajax, da Holanda, e um de Joanderson, que atualmente está no Internacional. Já em 2016, a decisão foi por pênaltis, depois do empate no tempo regular em 2 a 2, gols de Léo Natel e Oliveira. Nas cobranças de pênalti, o goleiro Júnior brilhou, defendendo uma cobrança e garantindo a taça Tricolor.
São Paulo Sub-20: Júnior; Tuta, Rodrigo, Walce e Liziero (Oliveira); Cássio (Helinho), Luan, Gabriel Sara (Caio), Igor Gomes (Bissoli), Antony (Geovane) e Gabriel Novaes (Fabinho)
Técnico: André Jardine
Palmeiras Sub-20: Anderson, Matheus Rocha, Vitão (Pablo), Iago e Luan (Matheus Bahia); Matheus Neris (Léo Paulino), Johnny, Airton (Fernando) e Aldo (Alan); Stuart (Yan) e Papagaio. Técnico: Gilmey Aimberê (auxiliar)

sábado, 16 de dezembro de 2017

Grêmio perde para o Real Madrid e fica com vice-campeonato no Mundial de Clubes Cristiano Ronaldo,de falta,marcou o gol que deu ao time espanhol o sexto título europeu 1 A 0

Todo mundo sabia que era uma tarefa árdua e hercúlea derrotar o Real Madrid. O Grêmio não se intimidou. Enfrentou com garra e força, marcas do Tricolor. Valentia até o apito final. Porém, o time espanhol se impôs com naturalidade e conquistou, neste sábado, 16 de dezembro de 2017, em Abu Dhabi, o sexto título mundial. O Real é bicampeão consecutivo. Cristiano Ronaldo, de falta, aos 7 minutos do segundo tempo, marcou o gol da vitória do time espanhol.  Não faltou garra, mas qualidade técnica ofensiva. Errou passes demais, não conseguiu sair do campo defensivo. Luan foi apático, Fernandinho, lento. Edílson e Cortez travados. O vice-campeonato mundial, porém, não é demérito. O grupo do Grêmio mostrou ao seu torcedor ao longo do ano que pode, sim, continuar dando alegrias e empilhando conquistas como a Copa do Brasil do ano passado e o TRI da Libertadores da América em novembro passado. Final de temporada, desgaste físico e mental, desfalques, tudo, somado com a abissal diferença entre os times, faz com que o Grêmio volte dos Emirados Árabes sem o bicampeonato mundial.

Início promissor vira fumaça

O Grêmio surpreendeu o Real Madrid nos primeiros cinco minutos. Adiantou a marcação e pressionou a saída de bola do todo-poderoso time espanhol. Os meias e volantes do Tricolor mordiam, fechavam os espaços e forçavam o erro da equipe de Zidane. Porém, quando teve a bola, o Grêmio não conseguiu entrar na área, realizar um jogada, disparar um chute. O Real, então, viu que não tinha motivo para se assustar e foi, com a categoria de Casemiro, Modric, Kroos e Isco, fugindo do aperto e avançando em bloco. Retomaram a posse de bola e ficaram com ela praticamente até o apito final em busca de uma brecha.
Kannemann e Geromel foram perfeitos. Geromel, logo de cara, chegou firme em Cristiano Ronaldo. Deu o recado. O capitão gremista acertou todos os lances. Impecável. Kannemann, outro guardião. Firme, não se intimidou com Benzema. O Real não acelerou o jogo para impedir espaços na defesa. Com isso, o Grêmio, que já errava muitos passes, não teve um contragolpe para tirar Navas da tranquilidade em que assistiu ao jogo. O Grêmio sofria. Era atacado. Envolvido. Pressionado. Mas suportou com frieza. Os jogadores do time espanhol se deslocavam e faziam triangulações pelos dois lados do campo. Aos 13 minutos, Casemiro faz um cruzamento da esquerda. Varane, que deixou a zaga para virar atacante, entrou sozinho, no único descuido da zaga gremista. Por sorte não chegou na bola. A equipe de Renato não tinha tempo de respirar e tocar a bola. Pois ela ficava o tempo todo com o Real. Luan, apagado, meio sonolento, errava toques curtos e não tentou uma jogada em profundidade. Aos 16, outra vez o Real Madrid rondando a área. Kroos brigou pela bola no chão. O meia alemão deixou ela açucarada para Cristiano Ronaldo. O melhor do mundo bateu rasteiro, à direita de Marcelo Grohe.

Real encurrala o Grêmio

Modric, aos 19, parte para cima de Edílson e cruza. Carvajal pega de primeira. E lá estava Geromel. Ele ergue a perna, que parece de borracha, e evita o gol. O Tricolor estava acuado. Aos 23 Modric recebeu de Marcelo, driblou Michel e chutou à esquerda de Grohe. Aos 34, Kroos tentou driblar Geromel. O capitão gremista desarmou com técnica perfeita. Dois minutos depois, mais Real. Isco achou Marcelo livre na linha de fundo. O lateral cruzou com veneno. Carvajal batu cruzado e Jailson fez o corte preciso. Na sequência, a bola espirrada ficou com Cristiano Ronaldo. Ele se preparava para ajeitar e passar ao companheiro quando, como um tanque, Kannemann dá um carrinho e manda para longe. Aos 38, Cristiano Ronaldo bateu falta perigosa. A bola saiu por cima. O Real Madrid sufocava o Grêmio, que só conseguia se defender. Geromel, em mais uma grande jogada de Modric, afastou por cima e por baixo em dois lances em sequência.

1 chute no gol
O Grêmio teve uma única chance. Edílson, de falta, aos 27, mandou uma paulada. Tirou tinta. E foi só.

Mesmo filme no 2º tempo

Renato não mexeu no time. O Real não mexeu na sua postura. Foi para cima do Grêmio. Aos 6 minutos, Cristiano Ronaldo é derrubado perto da área. Ele bateu. Barrios gira para o lado errado e a barreira abre. A bola passa no meio e vai no canto de Grohe, que não teve tempo de chegar nela: 1 a 0. Gol do melhor do mundo, que um minuto antes já havia tido uma chance. Livre na frente da área, bateu forte. A bola foi para fora. Muita comemoração do time e nas arquibancadas. O Grêmiou seguia errando passes e, com isso, sendo sufocado perto da área. Aos 15 minutos, Casemiro bateu forte de fora da área. Grohe fez a defesa de soco. A equipe espanhola seguiu com o total controle da partida. Trocava passes e ia para o ataque com tranquilidade. O Real Madrid impôs sua superioridade ao natural. Aos 19, Modric teve espaço para dominar, avançar e bater com efeito. Grohe espalma e a bola explode na trave.

Grêmio no jogo, um lampejo

Um minuto depois, o Grêmio, chegou na frente. Cortez foi na linha de fundo e cruzou rasteiro. O goleiro Navas saiu e segurou com facilidade. O lance deu um ânimo para o time. Avançaram e passaram a jogar com mais velocidade em contra-ataque. Foi um lampejo. Grêmio saiu, aos 24, com Luan, Fernandinho e Ramiro. O último passe saiu errado.

Pressão total

O time de Zidane logou voltou a controlar, cadenciar e fazer a bola girar de um lado para outro. Aos 30 minutos, Benzeman recebeu na entrada da área, após passe milimétrico de Kroos. O chute saiu desviado e Marcelo Grohe segurou firme. O Real chegava com três, quatro jogadores tabelando na entrada da área. Cristiano Ronaldo, aos 36, recebeu livre dentro da área e bateu forte. Grohe faz uma grande defesa. Aos 39, Bale, chegou driblando Michel e bateu pelo alto. Grohe tirou com a ponta dos dedos. 

Tentativa de reação

O Grêmio foi para o tudo ou nada. Adiantou o time e foi para cima, mas em nenhum momento chutou contra Navas. O Tricolor até conseguiu ficar com a bola, tabelar, mas sem profundidade. Maicon deu controle de bola e cadência. O Grêmio lutou, foi valente, mas o Real Madrid mostrou o motivo de ser um time multicampeão.

Ficha técnica

Grêmio (0)
Marcelo Grohe; Edilson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Michel (Maicon), Jailson, Ramiro (Everton), Luan e Fernandinho; Lucas Barrios (Jael).
Técnico: Renato Portaluppi.

Real Madrid (1)
Keylor Navas; Carvajal, Varane, Sergio Ramos e Marcelo; Casemiro, Kroos, Modric e Isco (Lucas Vázquez); Cristiano Ronaldo e Benzema (Gareth Bale).
Técnico: Zinedine Zidane.

Gol: Cristiano Ronaldo, aos sete minutos do segundo tempo.

Árbitro: César Ramos (México).

Cartão amarelo: Casemiro (Real Madrid).

Público: 41.064 torcedores.

Local: Estádio Zayed Sports City, em Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos).

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Grêmio vence Pachuca e está na final do Mundial de Clubes Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol da vitória gremista


A "profecia" está mais próxima de ser cumprida: "acabar com o planeta". O Grêmio está na final do Mundial de Clubes e a 90 minutos, caso não haja prorrogação, de conquistar o campeonato mundial. Na tarde desta terça, noite nos Emirados Árabes,  o Tricolor, num sufoco, num jogo nervoso, precisou da prorrogação para derrotar o Pachuca. Everton, num belo lance, após jogada com Cortez, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol que garantiu o Grêmio em Abu Dhabi, sábado, para enfrentar Real Madrid ou Al Jazira.

O elenco, afinado, cumpriu à risca a ordem do comandante. Para chegar à final,   tem que passar pela semifinal. E foi isso que o Grêmio fez. Não foi nem de longe uma atuação primorosa. Pelo contrário. O Grêmio teve dificuldades para encaixar o seu jogo, a sua troca de passes e chegada com vários jogadores na frente. Nenhum gremista esperava que seria fácil, mas também nenhum imaginava que seria tão sofrido e complicado. O Pachuca fez um enfrentamento duro com Grêmio. Impediu a progressão em alta velocidade do time de Renato Portaluppi com faltas, algumas delas, bem duras. É verdade que o Tricolor também facilitou a marcação mexicana. Michel e Ramiro tinham dificuldade em trocar passes com Luan, que foi marcado em todo canto que ia, e Fernandinho. O Grêmio chegou em lances de bola parada. Aos 16 minutos, Edílson bateu ao seu estilo: forte e com efeito. Por muito pouco não encobriu o goleiro Óscar Pérez. A outra "chance" ocorreu aos 40, também de falta.

Fernandinho, pela direita, mandou com veneno. Passou perto. Do lado mexicano, o japonês Honda teve duas oportunidades. Nas duas, Cortez foi o salvador tricolor. Aos 27 minutos o atacante recebeu na entrada da área. Quando ajeitava o corpo para o chute, Cortez, como um foguete surgiu para afastar. A segunda fez a torcida gremista fechar os olhos. Aos 45, os mexicanos trocaram passes e Honda avançou área adentro. Ele preparava o arremate e Cortez, de novo, apareceu e com o bico da chuteira afastou.

O Grêmio tentou iniciar o jogo apertando a marcação do Pachuca. Dificultar a saída de bola. Óscar Pérez saía com chutão ou com o zagueiro duro - Murillo. O Tricolor parecia que iria dominar rapidamente a partida. Logo aos 5 conseguiu um escanteio. Barrios cabeceou desajeitado e para fora. Na sequência, lance pela esquerda. Cortez tabelou com Michel. O cruzamento para dentro da área saiu fraco e ficou fácil para o zagueiro do Pachuca. Os mexicanos se apresentaram aos 8 minutos num chute de Honda. Grohe só acompanhou. O lance parece ter dado ímpeto aos "tuzos". Eles conseguiram sair de trás e avançar suas linhas. O Grêmio seguiu com dificuldade de articular o contragolpe e passou a deixar a defesa exposta. Kannemann levou amarelo. Geromel afastou outras. Grohe, de soco, evitou que a bola ficasse circulando pela área. O Pachuca encontrava espaços atrás dos volantes gremistas. Com isso chegava para os cruzamentos com alguma tranquilidade e sem pressa. Ficava com a bola.

Numa saída errada do goleiro mexicano, aos 17, Luan tabelou com Fernandinho. O craque gremista acabou batendo em cima do companheiro na entrada da área. Luan apareceu novamente aos 29. Fez um lançamento primoroso para Ramiro. O meia arrancou, chegou na frente, mas ele acabou errando o desvio para o gol. Fernandinho, aos 37, arrancou pela esquerda em alta velocidade. Ele cruzou para dentro da área, mas ninguém o acompanhou. A partida seguiu tensa, estudada e dura até o apito final.

Segundo tempo

Na segunda etapa, parecia, tal como no primeiro que o Grêmio iria apertar os mexicanos. Mas, errando passes, o Pachuca foi se aproximando da área de Grohe. Aos 10 minutos, numa saída errada de Jaílson, Urretaviscaya avançou e chutou colocado. Grohe espalmou. Renato mexeu em busca de uma alternativa de força e bola áerea. Jael entrou no lugar de Lucas Barrios. A entrada deu vigor ao Grêmio. Luan, de fora da área, mandou no cantinho. Óscar Pérez defendeu. O Tricolor seguiu empurrando os mexicanos para trás. Eles tiveram uma chance aos 14 minutos. Michel errou uma saída de bola.

Honda, sempre ele, invadiua a área, quando Geromel cortou. Num cruzamento de Edílson, Jael cabeceou em cima de Pérez. Em outra chegada pela direita, outro cabeceio de Jael. Luan se aproximou da área e passou a incomodar os zagueiros mexicanos. O técnico uruguaio fechou ainda mais a equipe e deixou tudo por um contra-ataque. Aos 24, numa boa troca de passes o Pachuca chegou na cara de Grohe. Na demora em finalizar, Geromel afastou. Preocupado com os erros de passes e a falta de ritmo de Michel, Renato mandou Everton para o jogo. Luan e Fernaninho passaram a arriscar mais.

O Grêmio foi acertando a marcação e passou a assustar os mexicanos. Aos 27, Luan pegou a bola, tentou o giro e foi derrubado. Na cobrança, aos 29, Edílson mandou no cantinho. Passou pertinho. Goleiro fez golpe de vista. A equipe mexicana, com a bola, vinha forte com lances pelo alto. Aos 34 Urretaviscaya cruzou da direita. Guzman cabeceou firme. A bola foi, foi, foi e acabou saindo. Um sufoco. Respirou o torcedor. Aos 41, Fernandinho mandou um chute forte. Escanteio. Na cobrança, Jael, aos 41, desviou de cabeça e a bola bateu em Luan. O craque gremista não conseguiu dominar. O jogo ganhou contorno dramático.    As equipes se cuidando e tentando um contra-ataque mortal. Que não aconteceu.

Prorrogação

O Tricolor saiu pressionando. Marcando em cima. O Pachuca respondia com chutes de fora. Numa jogada pela esquerda, Cortez cobrou lateral em velocidade e tocou para Everton. Ele dominou, invadiu a área e mandou no ângulo. Não deu para o "goleirinho" mexicano Pérez. O relógio marcava 4 minutos do primeiro tempo. Os mexicanos, sem outra alternativa, foram ao ataque. Abusaram de bolas altas. O Grêmio passou a esperar o Pachuca. Fechava os espaços e tentava um contragolpe com Everton e Fernandinho. Aos 11, um susto. Luan perdeu a bola no meio. Geromel, o capitão américa, fez o desarme de forma limpa e precisa. Luan, aos 13, arrancou e foi driblando. Abriu a jogada para Everton, que devolve. A defesa do Pachuca fez o corte.

Os últimos 15 minutos no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain

Grêmio saiu para matar. Mais soltos, Everton e Luan chamaram o jogo. Trocando passes no campo de ataque, encontravam espaços. Leo Moura, aos 2 minutos, tocou para dentro da área. Antes de Jael chegou o zagueiro do Pachuca. O Pachuca não desistia. Seguia, quando com a bola, rodando e incomodando na frente da área. Guzman recebeu o cartão vermelho. Mais espaço em campo. Ramiro, aos 6, tocou para Jael, mas o atacante estava impedido na hora do arremate. Seguia a equipe do Pachuca tentando pelo alto. Segura e firme, a defesa gremista, afastava. Seguia o sufoco, o nervosismo. Para fechar a casinha, Renato colocou Rafael Thyere e tirou Fernandinho. Sem mais bola áerea para levar perigo. Sem mais tempo. Sem segurar a emoção: Grêmio na final do Mundial em Abu Dhabi.

Ficha técnica

Grêmio (1)

Marcelo Grohe; Edílson (Léo Moura), Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jaílson, Michel (Everton), Ramiro, Luan e Fernandinho (Rafael Thyere); Lucas Barrios (Jael).

Técnico: Renato Portaluppi.

Pachuca (0)

Óscar Pérez; Martínez, González, Murillo; García (Sagal), Hernández, Aguirre (Erick Sánchez), Urretaviscaya (Germán Cano), Guzmán e Honda; Jara (Robert Herrera).

Técnico: Diego Alonso.

Gol: Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação

Cartões amarelos: Kannemann, Ramiro, Hernández, Jael.

Cartão vermelho: Guzmán.

Árbitro: Felix Brych (Fifa/Alemanha).

Local: Estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain (Emirados Árabes Unidos).

A Tabela da Copa Metropolitana - Sub 17 FGF 2017 - Final

91 14/12 - QUI 20:00 DO VALE N. HAMBURGO NOVO HAMBURGO 2 X 1 SÃO JOSÉ IDA
92 17/12 - DOM 18:30 PORTO ALEGRE PASSO D' AREIA SÃO JOSÉ 1 X 1 NOVO HAMBURGO VOLTA                                

Campeão Esporte Clube Novo Hamburgo
Vice-Campeão São José  

domingo, 10 de dezembro de 2017

Inter vira sobre o Grêmio e vence nos pênaltis para ser campeão do Gauchão Feminino 2017 no Beira-Rio 3 a 1 no tempo normal e nos pênaltis por 2 a 1.

O Inter conseguiu reverter a derrota no Gre-Nal de ida e, neste sábado, após decisão nos pênaltis, comemorou o título do Gauchão Feminino no Beira-Rio. Após vencer por 3 a 1 no tempo normal, o Colorado contou com três defesas de pênalti da goleira Fernanda para celebrar o título.
Com a vantagem no placar do jogo na Arena, de 2 a 0, o Grêmio ainda começou abrindo o placar da partida com o gol da artilheira Karina. Depois disso, contudo, tentou administrar e foi surpreendido pelo Colorado. As gurias do Inter conseguiram a virada por 2 a 1, com Gabriela Luizelli e Mylena Pedrosa.
No segundo tempo, o Inter foi para cima e conseguiu igualar o saldo dos 180 minutos. Letícia confirmou o 3 a 1 que levou a partida às penalidades. De forma pouco comum, o Inter substituiu a goleira Luana por Fernanda. Foi a arma secreta da decisão.
A artilheira Karina cobrou a primeira para o Grêmio, mas Fernanda defendeu uma bola à meia altura no canto esquerdo. Rosana confirmou o 1 a 0 para o Inter.
Na segunda rodada, Luana bateu quase no meio do gol e Fernanda pegou meio sem querer, com as pernas. Thais Marques ampliou para 2 a 0 com um chute quase ao centro, mas que pegou a goleira Carolina no contrapé.
Apenas Rafaela conseguiu converter um gol para o Tricolor, já na terceira batida, deslocando Fernanda, que saltou no canto oposto. Autora de um dos gols, Mylena devolveu o Grêmio à briga ao chutar no travessão.
O Tricolor perdeu mais um pênalti nas mãos da goleira Fernanda. Stefany bateu mal, de chapa à meia altura, e a jogador do Inter defendeu com segurança.
A arqueira gremista ainda fez grande defesa no chute de Renata Costa, dando a chance para Carla empatar. A atleta gremista isolou completamente o último chute, porém, dando o título ao Inter por 2 a 1.