O Player da Super RNVW de Viamao RGS Ao Vivo RNVW Record Play Plus

domingo, 9 de dezembro de 2018

River vira sobre Boca por 3 a 1 e conquista Libertadores 2018 em final histórica Em final eletrizante no Bernabéu, que terminou na prorrogação, River saiu atrás no placar, mas virou no 2º tempo e conquistou o 4º título de sua história da Libertadores da America

Após duas semanas de muita confusão, finalmente foi disputada a polêmica final da Taça Libertadores, neste domingo no Santiago Bernabéu, em Madri, com o River Plate vencendo o Boca Juniors no Superclássico, por 2 a 0 na prorrogação, após empate em 1 a 1 nos 90 minutos. Este é o quarto título da história do clube portenho, que agora se iguala em números de conquistas ao conterrâneo Estudiantes. O maior campeão continua sendo o Independiente, com sete conquistas - o Boca Juniors possui seis. Na primeira partida, empate em 2 a 2 na La Bombonera.
O River Plate também confirmou vaga no Mundial de Clubes, que se inicia já na quarta-feira, dia 12, nos Emirados Árabes Unidos, com o confronto entre Al Ain (Emirados Árabes) x Team Wellington (Nova Zelândia). O campeão sul-americano entrará em campo nas semifinais, no dia 18, enfrentando o vencedor desse confronto ou o Esperánce Túnis-TUN.
Para evitar episódios de violência no Superclássico, o governo espanhol colocou 4 mil policiais, para trabalhar no estádio e nas cercanias dele. Cerca de 5 mil argentinos viajaram para a Espanha para assistir ao duelo. 
Depois de protestos e confusões, o Superclássico iniciou. E o primeiro tempo foi do Boca Juniors, que acabou marcando seu gol já aos 44 minutos. Após rápido contra-ataque armado por Nández, Benedetto invadiu sozinho e tocou na saída de Armani para fazer 1 a 0.
Na etapa final, o River Plate voltou melhor. Aos 10 minutos, Lucas Pratto entrou na área e se chocou com o goleiro Andrada. O River Plate queria pênalti, mas o árbitro uruguaio Andres Cunha deu falta no arqueiro. Aos 22 minutos, ocorreu o empate. Nacho Fernández tabelou com Palacios, e cruzou para Lucas Pratto, sozinho na grande área, chutar sem chances para Andrada.
O jogo foi para a prorrogação. Logo no primeiro minuto, o volante Barrios, do Boca Juniors, levou o segundo cartão amarelo por falta em Palacios, e foi expulso. Com um jogador a mais, o River Plate partiu para cima, mas sem muita organização, baseando-se em chutes de fora da área ou cruzamentos.
Até que aos 3 minutos do segundo tempo do tempo extra, Quintero dominou e da entrada da área, acertou o ângulo, em um belo chute de esquerda, fazendo 2 a 1 para o River Plate. Na busca do empate, o goleiro Andrada foi à área do River Plate, que armou um contra-ataque. Píti Mártinez escapou sozinho e apenas rolou a bola para o fundo das redes: 2 a 0, aos 16 minutos. River tetracampeão.
A partir de 2019, a final da Taça Libertadores da America será disputada em partida única, em campo neutro.O local será o Estádio Nacional, em Santiago no Chile .

domingo, 2 de dezembro de 2018

Inter leva empate no fim e vê recorde escapar Com empate em 1 a 1 com o Paraná,O Inter termina o Brasileirão 2019 na 3ª colocação, com 69 pontos E Vaga Confirmada na Libertadores da America de 2019

O Inter esteve a poucos segundos de quebrar o próprio recorde no Brasileirão, mas, provando do próprio veneno que utilizou em algumas vezes na temporada, o time comandado por Odair Hellmann sofreu o empate no último lance do lanterna Paraná neste domingo, na Vila Capanema, em Curitiba. Com o 1 a 1 no placar, a equipe colorada não conseguiu romper a barreira dos 70 pontos, que lhe proporcionaria a sua melhor campanha na atual era dos pontos corridos.
Cumprida a tabela, Inter e Paraná não alteraram suas posições. Enquanto o Inter repetiu suas melhores marcas na era dos pontos corridos com 69 pontos – tal como em 2006 e 2014 – o Paraná terminou como o último colocado, com 23 pontos, e volta à Série B no ano que vem.
Garantido na fase de grupos da Libertadores, os jogadores colorados voltam a campo no fim de janeiro, na estreia do Gauchão.
Primeiro tempo sonolento
Para não dizer que não valia absolutamente nada, o Inter entrou no gramado da Vila Capanema com a possibilidade de alcançar a sua melhor campanha na era dos pontos corridos com 20 equipes. Só que, num primeiro momento, o objetivo não pareceu mobilizar muito e o que se viu na Vila Capanema foi um confronto burocrático.
Os paranistas até tentaram imprimir alguma pressão, mas a falta de qualidade do ataque não pareceu causar maiores problemas à zaga composta por Rodrigo Moledo e Victor Cuesta. Do outro lado, o desentrosamento entre os reservas também facilitou as coisas para a defesa paranista.
Dos raros lances que fizeram ecoar um breve “uh” nas arquibancadas, Andrey teve a chance de dentro da área aos 32, mas pegou embaixo da bola e acabou mandando longe. Já mais para o fim, aos 42, Alvez pegou de primeira após o corte de um cruzamento de Rossi. O desvio da zaga no meio do caminho ajudou a salvar os donos da casa.
Nico melhora o Inter, mas empate vem no último lance
Na volta do intervalo, um brilho de chances ao longo dos primeiros movimentos. Com 40 segundos, Alesson surgiu livre para cabecear. Buscou o canto oposto, só que Lomba foi lá e salvou. A resposta foi imediata. Alvez recebeu dentro da área, chegou a driblar o goleiro Richard e, sem ângulo, cruzou visando Rossi. A zaga, contudo, afastou. Na tréplica, Kessley recebeu na frente da zaga, pedalou cheio de estilo antes de chutar para longe.
Não demorou muito e o jogo voltou ao ostracismo criativo que havia marcado a etapa inicial. Tentando mudar esse cenário, Odair sacou Wellington Silva – de bons dribles antes do intervalo – para a entada de Nico López. Eis que brilhou a estrela do treinador. Três minutos após pisar no gramado, Nico correu pela esquerda e cruzou no pé de Jonatan Alvez, que completou da pequena área para o fundo das redes.
Enquanto Nico deu outra vida lá na frente, deu tempo de Marcelo Lomba lembrar porque é um dos melhores do campeonato em sua posição. Aos 28, Juninho ajeitou com estilo para Felipe Augusto que, na cara do goleiro do Inter, viu seu chute ser defendido pelo arqueiro. Dois minutos depois, Nico acionou Alvez na área. Em meio a quatro marcadores, o centroavante ajeitou o corpo e quase fez um golaço no ângulo. Mais tarde, ainda deu tempo para a estreia de Sarrafiore – que entrou aos 39 e, em seis minutos, pouco conseguiu mostrar.
O Paraná chegou a pressionar no fim do jogo, mas parecia tudo encaminhado. Até os 47 minutos do segundo tempo, quando Jhonny Lucas recebeu na entrada da área e, entre dois marcadores, tocou rasteiro na saída de Lomba e empatou o jogo, evitando que o Inter quebrasse seu recorde. Empate no último lance e recorde perdido. Uma pequena frustração, mas não o suficiente para apagar a boa campanha colorada em 2018.
Brasileirão - 38ª rodada
Paraná 1
Richard; Wesley, Jesiel, Charles (Rayan) e Igor (Felipe Augusto); Jhony (Bruno), Jhonny Lucas, Alesson e Juninho; Andrey e Keslley.
Técnico: Dado Cavalcanti 
Inter 1
Marcelo Lomba; Edenilson, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Uendel; Gabriel Dias, Juan Alano (Sarrafiore), Camilo, Rossi (Patrick) e Wellington Silva (Nico López); Jonatan Alvez.
Técnico: Odair Hellmann
Gols: Jonatan Alvez (20/2) e Jhonny Lucas
Cartões amarelos: Alesson; Edenilson, Rossi
Expulsão: Andrey
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes e de Miranda
Local: Vila Capanema, em Curitiba

Grêmio vence o Corinthians e confirma vaga direta na Libertadores Tricolor dominou no primeiro tempo e garantiu 1 a 0 para fechar Brasileirão 2018 em quarto lugar

O Grêmio venceu o Corinthians, neste domingo, e fez festa na Arena com vaga direta para a fase de grupos da Libertadores. O Tricolor impôs amplo domínio em frente à sua torcida na etapa inicial e garantiu o 1 a 0 que precisava para confirmar o quarto lugar no Brasileirão. Com 66 pontos, ficou três à frente do São Paulo. O Corinthians, por sua vez, ficou em 13º, com 44 pontos.
O Tricolor impôs um massacre tático ao Corinthians na primeira etapa. Os comandados de Renato Portaluppi tocaram a bola com liberdade e fizeram jogadas de efeito. Apresentação para goleada, mas que por falta de pontaria ficou no 1 a 0.
O Passeio Gremista Na Arena Tricolor
Nos primeiros 15 minutos, os visitantes não pisaram no gramado da Arena no setor ofensivo. Além disso, tocaram muito pouco na bola, que ficou 80% com o Tricolor. Quase em ritmo de treino, o Grêmio acumulou escanteios, ainda sem ameaçar imediatamente a meta de Cássio.
Só que quando ameaçou, foi para carimbar o placar. Aos 11 minutos, Léo Moura fez grande jogada pela direita e tabelou pelo alto com Alisson. O atacante jogou com Maicon, que cruzou na pequena área. A bola levantou no pé do zagueiro e ficou à feição para Jael empurrar de cabeça. Aí foi só correr para comemorar com a torcida na Arena o gol de vaga direta na Libertadores.
O gol foi sinal para os gremistas amassarem ainda mais os corintianos. Aos 14, Everton recebeu grande passe de Jael, fintou o zagueiro e disparou o canhão. O poste esquerdo impediu o 2 a 0. Dois minutos depois, Everton recuperou bola na esquerda, passou entre quatro jogadores do Corinthians e chutou com endereço certo. Henrique desviou o que seria um golaço.
Michel, improvisado de zagueiro, teve a oportunidade de ampliar aos 19. Na cobrança de escanteio, o defensor subiu bem para cabecear livre, mas mandou por cima. Cássio teve que trabalhar num chute de Cortez aos 24. O lateral roubou no meio e bateu firme da quina da área, mas parou nas mãos do goleiro.
Antes do intervalo, Alisson quase deixou sua marca. Everton fez boa tabela com Cortez e cruzou. O atacante surgiu no segundo pau e deslocou Cássio de cabeça. O goleirão olhou plantado a bola passar centímetros da trave esquerda.
O Corinthians Equilibrava o jogo
O segundo tempo foi bem diferente, com o Corinthians avançando sua marcação e o Tricolor reduzindo a marcha. Ficou por terra o amplo domínio da posse de bola. Ainda assim, os gremistas controlaram o ímpeto dos visitantes, evitando oportunidades claras de gol.
Ainda assim, Paulo Victor trabalhou pela primeira vez no jogo aos seis minutos. Pedrinho disputou na área, passou por Michel e cruzou com perigo. O goleirão tirou a dois passos da linha do gol, quando Romero chegava para definir.
O Grêmio respondeu com Cícero, que quase ampliou aos 8 minutos. Alisson levantou com perfeição uma cobrança de falta da esquerda. O volante cresceu no segundo pau e desviou forte, mas para fora.
A partida esfriou por um longo período. Renato lançou Matheus Henrique no lugar de Léo Moura, enquanto Douglas entrou para grandes aplausos da torcida, no lugar de Maicon. O Corinthians apostou no veterano Danilo no lugar de Pedrinho.
Aos 34, foi Danilo que recebeu na área e mandou passe perigoso na marca penal. Michel se atirou na frente para tirar de carrinho antes de Romero concluir.
O time paulista tentou um abafa final, mas em três tentativas parou no zagueiro Walter Kannemann, fazendo a festa do torcedor na Arena. Douglas ainda teve uma chance final de contragolpe, aos 47. Ele puxou pelo meio e tentou lançar Ramiro na frente, mas a bola saiu forte demais. Vitória simples, mas essencial, com o G4 debaixo do braço. 
Brasileirão - 38ª rodada
Grêmio 1
Paulo Victor; Léo Moura (Matheus Henrique), Michel, Kannemann e Cortez; Maicon (Douglas), Cícero e Ramiro; Alisson, Jael (André) e Everton. Técnico: Renato Portaluppi.
Corinthians 0
Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Carlos Augusto; Gabriel (Douglas) e Thiaguinho; Pedrinho (Danilo), Jadson e Romero; Mateus Vidal (Clayson). Técnico: Jair Ventura.
Gol: Jael (11min/1ºT).
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro.
Cartões amarelos: Romero, Henrique, Léo Santos e Carlos Augusto (C); Jael e Kannemann (G).
Público: 41.330.
Local: Arena Tricolor Em Porto Alegre RGS 

Inter vence o Fluminense e está na fase de grupos da Libertadores Vitória por 2 a 0 confirma o Colorado no terceiro lugar do Brasileirão 2018

O Inter se recuperou de um primeiro tempo fraco para dominar o Fluminense e vencer por 2 a 0, neste domingo no Beira-Rio. O resultado garantiu o Colorado na fase de grupos da Libertadores de 2019.
Com os três pontos, os comandados de Odair Hellmann chegam a 68 pontos, no terceiro lugar. Não pode mais ser superado por Grêmio ou São Paulo. O Fluminense, por sua vez, segue ameaçado do rebaixamento, com 42 pontos, em 14º.
O Inter teve domínio de bola, mas viu a vida complicada pela forte marcação do Fluminense e a baixa qualidade de articulação. Além disso, em duas oportunidades levou sustos com as transições rápidas do adversário.
Dificuldades para criar
Os minutos iniciais tiveram o Colorado com a bola no pé quase o tempo todo, mas sem achar opções para ameaçar a meta do goleiro Rodolfo. Algumas chuveiradas na zona do perigo e chutes de fora da área prensados foram pouco para inclinar a balança a favor dos donos da casa.
Chance mesmo, a primeira só veio aos 18 minutos, começando por uma bola parada. D'Alessandro bateu forte, mas explodiu na barreira. Sobrou para Jonatan Alvez na cara do gol, mas ele bateu embaixo da bola, isolando na arquibancada.
O Fluminense respondeu num lance quase despretensioso que obrigou Marcelo Lomba a trabalhar. Aos 22, Everaldo disparou na esquerda e cruzou rasteiro. Luciano desviou de letra. Saiu fraco, mas na surpresa o goleiro teve que se virar para catar firme.
Estava difícil fazer o goleiro rival trabalhar. Aos 26, Iago recebeu nas costas da zaga de Patrick. Dentro da área, o garoto tentou o chute cruzado, mas carimbou a parte externa das redes. Patrick também tentou uma bomba de fora da área, mas saiu em tiro de meta.
Jonatan Alvez teve mais uma oportunidade aos 33 minutos. D'Alessandro cruzou com qualidade da esquerda e o uruguaio subiu livre. Errou a mira, porém, concluindo direto para fora.
A derradeira oportunidade colorada foi aos 39. Nico Lopez puxou grande contra-ataque, superou três marcadores e rolou com carinho para Edenilson. Dentro da área, ele hesitou no chute, se atrapalhou e foi desarmado. O saldo é que, com a maior parte da posse de bola, o Inter não obrigou Rodolfo a fazer uma defesa sequer.
Colorado volta com tudo
O Colorado fez uma grande mudança já na arrancada do segundo tempo. Tratou de chutar a gol e testar o goleiro Rodolfo. Logo aos dois minutos, D'Ale puxou grande contragolpe para Nico Lopez. O uruguaio invadiu a área, limpou e chutou forte. Rodolfo fez sua primeira defesa do jogo.
D'Ale voltou à ação dois minutos depois. Foi lançado por Rossi, que tinha entrado no lugar de Patrick, e chutou de primeira. A bola fulminou o lado errado das redes.
Chance do Flu, apenas aos 10 minutos, num contra-ataque isolado. Jadson disparou na direita e cruzou para Everaldo chutar. O jogador limpou o lance, mas chutou torto para cima.
A gana pelo gol era tanta, que Rossi tentou uma bicicleta improvável aos 16 minutos. A pressão foi tamanha que o Fluminense não teve como resistir. Aos 28 minutos, D'Ale cruzou escanteio aberto, a zaga desviou e Nico chegou batendo de primeira para um golaço. Um míssil que entrou no ângulo esquerdo de Rodolfo para anotar 1 a 0 no placar.
Nos minutos finais, o Fluminense ainda se complicou com a expulsão de Leo, pelo segundo cartão amarelo. Apesar da desvantagem numérica, contudo, quase empataram numa desatenção da defesa colorada. Ayrton Lucas foi acionado na esquerda e chutou de primeira, sem marcação. Sorte de Lomba que saiu tirando tinta do poste esquerdo.
Nico Lopez, por sua vez, não perdoa. Aos 44 minutos, D'Alessandro recebeu na intermediária e descolou um passe magistral para o uruguaio. Livre de marcação, ele deslocou com categoria e guardou o 2 a 0 para comemorar o Inter em busca do tri da América em 2019!
Brasileirão 2018 - 37ª rodada
Inter 2
Marcelo Lomba; Fabiano, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenilson, Patrick (Rossi), D'Alessandro e Nico López; Jonatan Alvez (William Pottker). Técnico: Odair Hellmann.
Fluminense 0
Rodolfo; Léo, Paulo Ricardo, Digão e Ayrton Lucas; Richard, Fernando Neto (Marcos Junior) e Jadson; Junior Dutra, Everaldo (Cabezas) e Luciano. Técnico: Marcelo Oliveira.
Gols: Nico López (28min/2ºT e 44min/2ºT)
Arbitragem: Heber Roberto Lopes, auxiliado por Kleber Lucio Gil e Henrique Neu Ribeiro (trio de SC).
Cartões amarelos: D'Alessandro, Fabiano, Rossi (I); Léo, Everaldo (F).
Expulsão: Léo (F).
Público total: 31.395.
Renda: R$ 656.330,00.
Local: Estadio Beira-Rio.

domingo, 25 de novembro de 2018

Em jogo fraco, Grêmio empata sem gols com o Vitória No Barradao em salvador O Tricolor pode perder vaga no G4 se o São Paulo vencer o Sport nesta segunda-feira

O Grêmio decepcionou deste domingo. O Tricolor teve uma atuação fraca, principalmente no primeiro tempo, e não saiu do 0 a 0 com o ja rebaixado Vitória em um Barradão quase vazio em jogo válido pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.
Com o empate, o Grêmio pode deixar o G4 nesta segunda-feira. Para isso acontecer, basta o São Paulo vencer o Sport no Morumbi nesta segunda. O Tricolor vai encerrar sua participação no Brasileirão no próximo domingo diante do Corinthians na Arena. O zagueiros Geromel não enfrentará o time paulista por suspensão.

O jogo No Barradao foi peleia complicado pro Tricolor dos Pampas

Com o Vitória ja rebaixado, a torcida compareceu em número pequeno ao Barradão para a partida deste domingo - apenas 3,5 mil pessoas. O jogo parece ter tido a influência do clima no estádio e afetou o Grêmio. Mesmo com uma grande superioridade técnica, o Tricolor não conseguiu se impor ao longo dos primeiros 45 minutos.
O primeiro tempo do jogo foi morno. O Grêmio teve a melhor chance para marcar em uma bola parada. Aos 13 minutos, Cícero aproveitou o escanteio batido por Jean Pyerre e acertou a trave com um forte cabeceio
Jean Pyerre tentou chamar a responsabilidade de armação das jogadas. Não faltou iniciativa ao garoto, mas os homens de frente do Grêmio não estavam em bom dia para aproveitar. André não deu sequência a quase nenhuma jogada enquanto Ramiro apareceu muitas vezes livre pelo lado direito, mas errou muito no último passe. Até mesmo Everton esteve sumido. Principal jogador do Grêmio na temporada, o camisa 11 teve apenas uma finalização na primeira etapa.
Renato tentou dar maior agressividade ao time e fez uma mudança ainda no primeiro tempo. Aos 38, Alisson entrou no lugar de Michel, que tinha amarelo, fazendo com que Ramiro fosse recuado para a função de volante. No entanto, o time não criou nada nos minutos finais.
O Grêmio ainda contou com a sorte para terminar o primeiro tempo com 11 jogadores. Aos 44, Kannemann, que já tinha amarelo, puxou Jeferson na entrada da área e o árbitro Raphael Claus optou por não dar o segundo cartão ao argentino.
Após um primeiro tempo fraco, o Grêmio voltou em outro ritmo para a etapa final. O Tricolor teve logo três chances claras de gol nos primeiros 13 minutos. O gol só não saiu graças ao goleiro João Gabriel.
A primeira chance veio aos 11 minutos. Everton deu um passe em profundidade para Alisson e João Gabriel saiu rápido para fazer a defesa. Na sequência, Alisson cruzou para André dentro da pequena área. O centroavante chutou meio que dividindo com Bruno Bispo e João Gabriel, já caído, fez uma grande defesa para manter o 0 a 0 no placar. O goleiro do Vitória voltou a aparecer bem aos 13 em chute de Everton que ele pegou no canto. 
O Vitória, que até então não havia ameaçado, criou sua primeira chance de gol da partida aos 19 do segundo tempo. Após uma bela jogada de Lucas Fernandes, Léo Ceará aproveitou o espaço nas costas de Kannemann, recebeu a bola e bateu buscando o ângulo, onde Paulo Victor fez a defesa.
Após as chances criadas, o Grêmio teve uma queda de rendimento e Renato Portaluppi fez as últimas trocas no setor ofensivo. Jael e Thonny Anderson entraram nas vagas de André e Jean Pyerre.
Com o Grêmio forçando mais na busca pelo gol, a partida ficou aberta. O Vitória voltou a levar perigo aos 28 com Iago, mas novamente Paulo Victor fez a defesa. A resposta do Grêmio veio com Thonny Anderson, que deu dois cortes em Aderllan, mas chutou por cima do gol.
Apesar da insistência, o Grêmio não conseguiu o seu gol. Geromel teve uma grande chance aos 37 e finalizou para fora após pegar a bola livre em um rebote de escanteio. Já nos acréscimos, aos 48, Everton bateu de primeira da entrada da área e acertou a trave na última oportunidade do Tricolor na partida.

Brasileirão 2018 - 37ª rodada
Vitória - 0
João Gabriel; Jeferson, Aderllan, Lucas Ribeiro (Bruno Bispo), Benítez (Fabiano); Willian Farias, Léo Gomes (Iago); Luan, Rhayner, Lucas Fernandes; Léo Ceará. Técnico: João Burse.
Grêmio - 0
Paulo Victor; Léo Moura, Geromel, Kannemann, Cortez; Michel (Alisson), Cícero; Ramiro, Jean Pyerre (Thonny Anderson), Everton; André (Jael). Técnico: Renato Portaluppi.
Cartões amarelos: Willian Farias, Jeferson Faria (VIT); Michel, Kannemann, Cícero, Geromel (GRE)
Árbitro: Raphael Claus (SP).

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Grêmio perde para o Flamengo e fica ameaçado no G4 O Tricolor teve poucas chances e acabou derrotado por 2 a 0 pelo vice-líder do Brasileirão 2018 No Estádio do Maracanã.

O Grêmio foi inferior ao Flamengo durante quase todo o jogo e perdeu por 2 a 0 nesta quarta-feira no Maracanã. No saldo da noite, além de desperdiçar a chance de passar o Inter e assumir o terceiro lugar, o Tricolor fica ameaçado pelo São Paulo na luta pela vaga direta para a Libertadores.
Com o resultado, os comandados de Renato Portaluppi ocupam o quarto lugar, mas podem ser superados pelo São Paulo, que enfrenta o Vasco nesta quinta. O Flamengo ainda tem uma chance mínima de título, no segundo lugar a cinco pontos do líder Palmeiras.
No seu próximo compromisso, o Grêmio irá enfrentar o Vitória em Salvador. O jogo está marcado para o próximo domingo, às 17 h, no Barradão. Já o Flamengo terá um jogo duro contra o Cruzeiro no Mineirão no mesmo dia e no mesmo horário.
O Tricolor Foi Pressionado No Primeiro Tempo
O Tricolor encarou um primeiro tempo difícil, sob intensa pressão do Flamengo na sua metade inicial. A falta de pontaria dos cariocas e bela atuação de Paulo Victor garantiram o zero do placar, antes de uma breve reação gremista ser barrada pelo apito aos 49 minutos. Aos quatro minutos, o improvisado Marcelo Oliveira foi colocado à prova em lance claro de ataque do time carioca. Uribe recebeu livre nas costas de Cortez e chutou cruzado. Parou no defensor gremista que se atirou na frente para desviar.
Com grande volume de jogo pelas laterais, o Rubro-Negro ameaçou com Pará aos 13 e Paulo Victor antecipou o cruzamento na pequena área. A essas alturas, o arqueiro gremista já reclamava muito de dores no braço esquerdo. O jogo acabou parado duas vezes para ele receber atendimento, mas decidiu ficar em campo.
A primeira chance tricolor veio aos 15 minutos. Léo Gomes recebeu na frente da área uma boa bola de Ramiro. Livre, ele armou o chute, só que seu domínio foi tempo suficiente para Réver se recuperar e bloquear o arremate. O Flamengo seguiu mais perigoso e, aos 21, Uribe subiu livre no escanteio cobrado por Vitinho. A cabeçada contornou Paulo Victor e parte da torcida gritou gol. A bola explodiu no poste esquerdo.
Ramiro tentou mostrar que o Grêmio tinha armas para incomodar e, com um chute da entrada da área, obrigou César a fazer sua primeira defesa, aos 31 minutos. No contragolpe do Flamengo, porém, quase saiu o gol dos vice-líderes do Brasileirão. Uribe recebeu na marca do pênalti, com Paulo Victor caído. Mas aí surgiu o pé salvador de Pedro Geromel, que entrou de carrinho e fez o desvio providencial.
Antes do intervalo, o descontado Paulo Victor ainda teve que fazer a grande defesa até então. Diego recebeu na intermediária, ajeitou e disparou um míssil no canto esquerdo: o goleiro voou certeiro para espalmar. Nos acréscimos, o Grêmio ensaiou uma pressão. Ocupou o campo de ataque e fez a bola girar, mas sem conclusões específicas. Os times viram o tempo se esgotar e desceram para o vestiário com o placar em 0 a 0.
O Gol Irregular Complicou o Grêmio
Se a primeira etapa foi difícil, segundo tempo foi ainda pior. O Tricolor até ensaiou uma arrancada inicial, mas foi frustrado logo nos minutos iniciais em um gol irregular do Flamengo. No primeiro minuto, Paulo Victor fez grande defesa num chutaço de Pará à queima-roupa. O lateral surgiu livre na área após boa tabela com Wiliam Arão. No escanteio decorrente deste lance, porém, o castigo. Diego cruzou e Marcelo Oliveira desviou para trás com o peito. Uribe puxou o voleio e acertou o rosto de Cortez junto com a bola. Foi o suficiente para empurrar para gol. Seria falta, mas o árbitro validou o 1 a 0.
O Flamengo recuou e o Grêmio foi para a pressão. Aos 9, Jael testou a pontaria em boa falta na intermediária. Bateu por fora da barreira, desviou do goleiro, mas também da meta. Jean Pyerre também teve chance aos 11. Recebeu na frente da meia-lua, entortou Arão com um drible de corpo e bateu de sem-pulo e mandou por cima.
Everton foi quem chegou mais perto de igualar, aos 15. Alisson entrou no lugar de Matheus Henrique e já fez boa jogada. Escapou na direita e mandou na cabeça do atacante. O Cebolinha desviou com endereço certo, mas o goleiro Cesar catou firme em cima da linha.
Na resposta fulminante do Flamengo, Réver aparou de cabeça na área, Paulo Victor não alcançou e Ramiro tirou de cabeça em cima da linha. Diego insistiu, passou de Cortez em velocidade e bateu colocado de três dedos, só que a bola encobriu a goleira.
O Diego matou o Jogo Pro Flamengo 
Pressionado pela torcida, Vitinho perdeu a chance de ampliar aos 23. Diego recuperou bola na esquerda e serviu com açúcar na marca penal. Sem ninguém para marcar, o camisa 14 encheu o pé e isolou sobre o gol. Tomou aquela vaia.
A melhor chance gremista veio aos 42 minutos. Alisson cobrou escanteio com qualidade e Geromel subiu livre. O zagueirão cabeceou firme rente ao poste direito. César voou numa defesa espetacular para evitar o empate. No contragolpe, Paulo Victor saltou nos pés de Marlos Moreno e evitou o gol.
No tudo ou nada, o Tricolor foi surpreendido aos 44. Berrío disparou em velocidade e cruzou na área. Diego chegou livre na bola. Desequilibrado, conseguiu ajeitar com a canhota e mandou de primeira para o fundo das redes, definindo a vitória por 2 a 0.

Brasileirão 2018 - 36ª rodada
Flamengo 2
César; Pará, Rhodolfo, Réver e Renê; Cuéllar, Willian Arão e Diego; Éverton Ribeiro (Jean Lucas), Uribe (Berrío) e Vitinho (Marlos). Técnico: Dorival Júnior.
Grêmio 0
Paulo Victor; Leonardo, Pedro Geromel, Marcelo Oliveira e Bruno Cortez; Michel, Matheus Henrique (Alisson), Ramiro e Jean Pyerre (Thaciano); Everton e Jael (André). Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Uribe (2min/2ºT) e Diego (44min/2ºT).
Cartões amarelos: Willian Arão e Diego (F); Ramiro e Matheus Henrique (G).
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC).
Público: 36.013.
Local: estádio do Maracanã.RJ

Inter sofre gol no final e perde invencibilidade no Beira-Rio Atlético-MG segurou pressão no segundo tempo e buscou vitória de 2 a 1 nos acréscimos No Beira Rio

O Inter não conseguiu se recuperar da derrota para o Botafogo no último domingo. Nesta quarta-feira, diante de mais de 25 mil colorados no Beira-Rio, o Colorado sofreu um gol nos acréscimos, foi derrotado pelo Atlético-MG por 2 a 1 e deu adeus de vez a qualquer chance de título brasileiro Cazares marcou o primeiro gol do Atlético-MG na etapa inicial. D’Alessandro, de pênalti, empatou o jogo no segundo tempo, que teve uma pressão colorada, mas Terans acabou marcando nos acréscimos o gol da vitória do Galo.

Com a derrota, o Inter para nos 65 pontos e segue em terceiro na tabela do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG é o sexto, com 56. O Colorado volta a campo no próximo domingo, às 19 h, para encarar o Fluminense no Beira-Rio.


O Inter faz primeiro tempo ruim e Atlético-MG sai na frente


O técnico Odair Hellmann fez duas mudanças no time do Inter em relação ao jogo contra o Botafogo no último domingo. Após cumprir suspensão, Fabiano retornou à lateral direita na vaga de Zeca. Rodrigo Moledo, suspenso, foi substituído por Emerson Santos. O esquema 4-1-4-1 foi mantido. O que não seguiu foi o bom desempenho do time nos jogos no Beira-Rio.


Desde os primeiros minutos ficaram claras as dificuldades do Inter no jogo. O Atlético-MG se postava de forma organizada defensivamente e protegia bem seu gol. Com pouca movimentação, o Inter não conseguiu envolver o adversário e Victor foi um mero espectador da partida nos primeiros 45 minutos.


O Inter teve apenas uma chance de gol no primeiro tempo. E foi em bola parada. Aos 8, após uma jogada ensaiada de escanteio, Nico López cruzou para Emerson Santos, que ajeitou para Leandro Damião. O centroavante fez o giro e finalizou com perigo.


O Atlético-MG também não deu muito trabalho a Marcelo Lomba no primeiro tempo. Mas sempre esteve perto de fazer. Em três contra-ataques, Cuesta, duas vezes, e Emerson Santos uma, fizeram os cortes na hora exata para evitar que o último passe chagasse a um atacante mineiro livre.


Exposto aos contra-ataques, o Inter acabou penalizado aos 41 minutos. Após uma tentativa de tabela no ataque entre Fabiano e Nico López, o Atlético-MG roubou a bola e saiu em velocidade. Emerson Santos se adiantou para cobrir o lateral, acabou não conseguindo tomar a bola de Chará e abriu um espaço nas suas costas. Cazares aproveitou e finalizou antes da chegada de Cuesta para abrir o placar no Beira-Rio. Antes do apito final do primeiro tempo, o Galo ainda teve outra chance em contra-ataque, mas o chute de Luan se perdeu pela linha de fundo.


O Inter busca empate,mas perde nos acréscimos


Os dois times voltaram alterações para o segundo tempo. No Inter, Odair Hellmann mudou o posicionamento do setor ofensivo. Patrick passou a jogar por dentro no meio-campo ao lado de Dourado e Edenilson com D’Alessandro indo atuar aberto pelo lado direito. Com isso, Nico López foi deslocado para a esquerda.


Atrás no placar, o Inter foi em busca do empate. Ainda sem muita organização, os ataques colorados dependiam de iniciativas individuais. Aos 4, Cuesta roubou uma bola no campo de defesa e arrancou para o ataque. Ele tocou para Fabiano, que fez o cruzamento. A bola chegou a Patrick, que tentou de primeira e mandou por cima.


O Inter seguiu pressionando em bolas paradas. Aos 10, D’Alessandro bateu falta e Victor fez a defesa. Foi a primeira finalização colorada no gol na partida. Na sequência, a chance veio em escanteio. D’Ale bateu e Emerson Santos quase marcou. O zagueiro venceu a marcação e cabeceou perto do gol atleticano.


Mesmo com a pressão do Inter, Odair fez a primeira mudança no time aos 14 minutos. Camilo foi o escolhido para entrar no lugar de Patrick e quase o seu primeiro lance terminou em assistência. Aos 16, ele bateu escanteio e a bola chegou a Damião, que quase em cima da linha chutou por cima do gol de Victor.


A pressão do Inter seguiu, mas cada vez mais o time se desorganizava. Odair tentou mais uma troca com Rossi no lugar de Nico López. Logo depois, Camilo bateu uma falta e quase encobriu Victor, que se esticou para dar um tapa na bola mandou para escanteio.


A insistência do Inter finalmente deu resultado aos 35 minutos. Após cruzamento de Rossi, Damião tentou a finalização, mas acabou derrubado por Maidana. Pênalti marcado pelo árbitro Raphael Claus. O Beira-Rio, então, viu mais uma duelo entre D’Alessandro e o Victor. O argentino pegou a bola e foi para a cobrança. E o final foi feliz para os colorados. D’Ale deslocou o goleiro e bateu no canto vazio para empatar a partida, 1 a 1.


Logo após o gol, Odair fez a última troca no Inter para buscar a virada. O meia Juan Alano entrou no lugar do lateral Fabiano. Era o Colorado ainda mais ofensivo para os minutos finais. E quase a virada veio aos 41 minutos. Após cruzamento de Camilo, Damião recebeu a bola livre na área. Ele dominou, mas exagerou na força na hora do chute e mandou por cima do gol de Victor perdendo a chance da vitória.


O Inter chegou a balançar as redes aos 45 com Rossi, mas o lance foi anulado por impedimento. O gol que valeu foi do Atlético-MG. Aos 47, Cazares, o melhor em campo, fez a jogada pelo lado direito e cruzou para Terans, que desviou para o gol para dar a vitória ao Atlético-MG, 2 a 1.


Brasileirão 2018 - 36ª rodada

Inter - 1
Marcelo Lomba; Fabiano (Juan Alano), Emerson Santos, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado; Nico López (Rossi), Edenílson, D'Alessandro, Patrick (Camilo); Leandro Damião. Técnico: Odair Hellmann.
Atlético-MG - 2
Victor; Emerson, Leonardo Silva, Iago Maidana e Patric; Adilson, Matheus Galdezani (Lucas Cândido); Luan (Terans), Cazares e Chará; Ricardo Oliveira (Alerrandro). Técnico: Levir Culpi.
Gols: Cazares (41min/1T), Terans (47min/2T); D’Alessandro (38min/2T)
Cartões amarelos: Cuesta (INT); Adílson, Maidana (ATL)
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RGS)